lei 6880 – Estatuto Militar Completo Atualizado audio

Updated : Oct 26, 2019 in Articles

lei 6880 – Estatuto Militar Completo Atualizado audio


Law No. 6,880, of December 9, 1980. (Validity) (See Decree No. 88,455, 1983)
(See Decree No. 4,307 of 2002) (See Decree No. 4,346 of 2002) Provides for the Statute of the Military. THE PRESIDENT OF THE REPUBLIC, I make it known that
the National Congress decrees and I sanction the following law: MILITARY STATUS TITLE I
Generalities CHAPTER I
Preliminary Provisions Art. 1 The present Statute regulates the situation,
obligations, duties, rights and prerogatives of the members of the Armed Forces. Art. 2 The Armed Forces, essential to the
implementation of national security policy, are made up of the Navy, the Army
and by the Air Force, and are intended to defend homeland and to guarantee the powers established,
the law and the order. They are national institutions, permanent and regular arrangements organized on
in hierarchy and discipline under the authority President of the Republic and within
of the limits of the law. Art. 3 The members of the Armed Forces, in
reason of its constitutional destination, form a special category of servers
Homeland and are called military. Paragraph 1. The military are in one of the
following situations: a) active: I – career ones; II – those incorporated into the Armed Forces to
provision of initial military service during the time limits provided for in the legislation dealing
of military service, or during the extensions those deadlines; III – the components of the reserve of the Forces
Armed when summoned, reincluded, designated or mobilized; IV – the students of the formation organ of
active and reserve military personnel; and V – in wartime, every Brazilian citizen
mobilized for active service in the Forces Armed. b) inactivity: I – those of the remunerated reserve, when they belong
to the Armed Forces reserve and realize Union remuneration, but subject to
also, the provision of active duty, by summoning or mobilization; and II – the retired, when, having passed
one of the previous situations are definitively exempted from providing
active duty but continue to realize Union remuneration. III – those of the remunerated reserve, and, exceptionally,
the retired, performed task for time right, according to regulations for each
Armed force. (Wording given by Law no. 9,442, dated 3.14.1997) (See Decree No. 4,307,
from 2002) § 2 The career military are those of the
that in voluntary and permanent performance of military service, have vitality
assured or assumed. Art. 4 The following are considered a reserve of the Forces.
Armed: I – individually: a) the military of the paid reserve; and b) the other citizens in conditions of convocation
or mobilization for the active. II – as a whole: a) the military police; and b) the Military Fire Brigade. Paragraph 1. The Merchant Navy, Civil Aviation
and the companies declared directly devoted to the primary purposes of the Armed Forces,
called mobilization effects activity and employment, reserve of the Armed Forces. Paragraph 2. The personnel members of the Merchant Navy,
Civil Aviation and Declared Companies directly related to safety
as well as the other citizens in call or mobilization conditions
active, will only be considered military when called or mobilized for the service
in the Armed Forces. Art. 5º The military career is characterized
by continued and wholly devoted activity to the primary purposes of the Armed Forces,
called military activity. § 1 The military career is exclusive of the
active staff, starts with the entrance in the Armed Forces and obeys the various
sequences of hierarchical degrees. § 2 Are deprived of born Brazilian
the naval officer careers of the Army and Aeronautics. Art. 6 The expressions “in
active, active duty, active duty, active duty “,” active duty “,” active duty ”
or “in military activity” conferred on military in office, commission,
assignment, assignment or mission, service or military activity or considered of a military nature
military in the military organizations of the As well as the Presidency of the Republic,
Vice Presidency of the Republic, at the Defense and other organs when provided
in law, or when incorporated into the Forces Armed. (Wording given by Provisional Measure
No. 2,215-10, dated 8.31.2001) Article 7. The legal condition of the military
is defined by the provisions of the Constitution applicable to them under this Statute
and by law granting them rights and prerogatives and impose duties and obligations on them. Article 8 The provisions of these By-Laws apply,
where applicable: I – the military of the paid reserve and
retired people; II – the students of the formation organ of the
reservation; III – the members of the Military Magisterium;
and IV – the Military Chaplains. Article 9 The General Officers appointed Ministers
of the Superior Military Court, the members of the Military Teaching and the Military Chaplains
are governed by specific legislation. CHAPTER II
Admission to the Armed Forces Article 10. Admission to the Armed Forces is
provided, by incorporation, registration or appointment, to all Brazilians who
meet the requirements laid down by law and Navy, Army regulations
and Aeronautics. Paragraph 1. When it is convenient for the
service of any of the Armed Forces, the Brazilian possessing recognized competence
technical-professional or notorious culture scientific knowledge may by its acquiescence
and proposal of the Minister of Force concerned, be included in the Reserve Frames or Bodies
and summoned to active duty on a character basis transitional. (Regulation) (Regulation) § 2 The inclusion under the terms of the paragraph
will be done in hierarchical degree compatible with your age, civil activities
and responsibilities that will be assigned to you, under the conditions regulated by the Executive Power.
(Regulation) (Regulation) Art. 11. For registration in establishments
military education for the training of officers, active and reserve staff, and graduates,
in addition to nationality conditions, age, intellectual aptitude, physical ability
and moral integrity, it is necessary that the candidate does not or has not performed any activities
harmful or dangerous to national security. Single paragraph. The provisions of this article
and the previous one also applies to candidates to enter the Officers’ Bodies or Boards
where a diploma of establishment is required higher education recognized by the Government
Federal. Art. 12. The call in peacetime is
regulated by the legislation dealing with the service military. § 1 ° In peacetime and independently
callers, the members of the reserve may be assigned to the active service,
on a transitional basis and upon acceptance voluntary. Paragraph 2. The provisions of the previous paragraph shall be
regulated by the executive branch. Art. 13. The mobilization is regulated in legislation
specific. Single paragraph. Incorporation into the Forces
Armed with federal deputies and senators, although military and even in wartime,
will depend on the license of the respective House. CHAPTER III
Military Hierarchy and Discipline Art. 14. Hierarchy and discipline are
the institutional base of the Armed Forces. Authority and responsibility grow
with the hierarchical degree. Paragraph 1. The military hierarchy is the ordination
of authority at different levels within of the structure of the Armed Forces. The ordination
it is done by ranks or ranks; inside of the same post or graduation is made by
seniority at post or graduation. THE respect for hierarchy is embodied
in the spirit of compliance with the sequence of authority. § 2 ° Discipline is the strict observance
and full compliance with laws, regulations, rules and provisions on which the body is based
military and coordinate their regular operation and harmonic, translating into the perfect
fulfillment of duty on the part of all and of each of the components of that organism. Paragraph 3. Discipline and respect for hierarchy
must be kept under all circumstances of life among active military, reserve
paid and retired. Art. 15. Hierarchical circles are scopes
coexistence among the military of the same category and are intended to develop
the spirit of camaraderie in an environment of esteem and confidence, without prejudice to respect
mutual. Art. 16. Hierarchical circles and scale
hierarchy in the Armed Forces, as well as the correspondence between the posts and the graduations
Navy, Army and Air Force, following paragraphs and the following
Attached table. Paragraph 1. Rank is the hierarchical rank of the officer,
conferred by act of the President of the Republic or the Minister of Singular Force and confirmed
in Patent Letter. § 2 The posts of Admiral, Marshal and
Air Marshal will only be provided on wartime. § 3º Graduation is the hierarchical degree
from the square, conferred by the military authority competent. Paragraph 4. The Navy Guards, the Aspiring Officers
and students of specific training bodies of military are called special squares. § 5 The initial and final hierarchical degrees
of the various Bodies, Frames, Weapons, Services, Specialties or Subspecialties are fixed,
separately, for each case, in the Navy, in the Army and the Air Force. Paragraph 6. The Navy, Army Military
and Aeronautics, whose hierarchical degrees have a common name, will add
when deemed necessary, the indication of respective Body, Frame, Weapon
or Service and, if necessary, the Force Armed to which they belong according to the regulations
or standards in force. Paragraph 7. Whenever the military of the paid reserve
or retired person makes use of the post or graduation, should do so with their abbreviations
of your situation. Art. 17. The precedence between military of the
of the same hierarchical degree, or corresponding, is assured by seniority at the post or
graduation, except in cases of precedence established by law. § 1º The seniority in each post or graduation
is counted from the date of signature act of promotion, appointment,
declaration or incorporation, except when otherwise is fixed. § 2 In the case of the previous paragraph, having
draw, seniority will be established: a) between military personnel of the same Corps, Staff,
Weapon or Service, by position in their respective numerical scales or existing records
in each force; b) in other cases, by seniority in the
previous rank or graduation; if still equality remains, successive recourse shall be made to
previous hierarchical grades, to date square and date of birth to define
the provenance, and in the latter case older will be considered the oldest; c) if there is more than one square date,
even from another Singular Force, prevails the seniority of the military with the highest
effective time in the previous square or in the previous squares; and d) among students of the same governing body
training of military personnel in accordance with respective body if they are not specifically
framed in the letters a, b and c. Paragraph 3. In equality of rank or graduation,
active military personnel take precedence over those of inactivity. § 4º In equality of rank or graduation,
the precedence among the career military active and those of the paid or unpaid reserve,
who are summoned, is defined by the time effective service at the post or graduation. Article 18. In special legislation, the following shall be regulated: I – the precedence between military and civilians,
on diplomatic missions, or on commission at home or abroad; and II – the precedence in official solemnities. Art. 19. The precedence between special squares
and the other squares are regulated as follows: I – The Navy Guards and the Aspirants-the-Officer
are hierarchically superior to other squares; II – the Aspirants, students of the Naval School,
and the Cadets, students of the Military Academy of Black Needles and the Air Force Academy,
as well as students of the School of Specialist Officers Aeronautics, are hierarchically superior
petty officers and warrant officers; III – the students of the Preparatory School of
Cadets and Naval College take precedence on the Third Sergeants, to whom they are
assimilated; IV – the students of the formation organs
reserve officers, when in uniform, have precedence over the cables, to which
assimilated; and V – Cables take precedence over students
schools or training centers for sergeants, who are equated to them, respected,
in the case of military, relative seniority. CHAPTER IV
Of Military Position and Function Art. 20. Military office is a set of attributions,
duties and responsibilities committed to a military in active duty. Paragraph 1. The military office referred to in this
article is what is specified in the Tables or Stock Tables
of the Armed Forces or planned, characterized or defined as such in other provisions
cool. Paragraph 2. The obligations inherent to the office
must be compatible with the corresponding hierarchical degree and defined in legislation
or specific regulations. Art. 21. Military positions are provided
with staff meeting the requirements of hierarchical degree and qualification required
for your performance. Single paragraph. The provision of military office
shall be by act of appointment or determination of the competent authority. Art. 22. The military position is considered vacant.
from its inception and until a military take possession of it, or from the moment
exonerated military officer, or who has received express determination of the competent authority,
leave him and until another military man takes him possession in accordance with the rules of provision
provided for in the sole paragraph of the preceding article. Single paragraph. Also considered vague
military positions whose occupants have: a) deceased; b) been considered lost; c) been taken prisoners; and d) been considered deserters. Art. 23. Military function is the exercise
obligations inherent to the military position. Art. 24. Within the same organization
military, the sequence of substitutions to take office or to perform duties,
as well as the norms, duties and responsibilities are those laid down in national legislation
specific rules or regulations respected the precedence and qualification required
for the post or the performance of the function. Art. 25. The military man in office provided
on an effective or interim basis, in accordance with with the sole paragraph of Article 21, makes
entitled to the duties corresponding to as provided by law. Art. 26. The obligations that, in general,
peculiarity, duration, shape or nature, are not cataloged as titled positions
in “Staff”, “Organization Chart”, “Stocking Table” or legal device,
are fulfilled as a charge, an errand, commission, service or activity, military
or military in nature. Single paragraph. It applies, where applicable,
on charge, commission, commission, service or activity, military or military in nature,
the provisions of this Chapter for military office. TITLE II Military Obligations and Duties CHAPTER I Military Obligations SECTION I Of Military Value Art. 27. They are essential manifestations of
military value: I – patriotism, translated by the will
unwavering of fulfilling military duty and at solemn oath of allegiance to the Fatherland
even with the sacrifice of one’s life; II – civism and the worship of historical traditions; III – Faith in the High Mission of the Forces
Armed; IV – the spirit of body, pride of the military
by the organization where you serve; V – love of the profession of arms and enthusiasm
with which it is exercised; and VI – the technical-professional improvement. SECTION II Military Ethics Art. 28. The feeling of duty, the pundonor
military class and the decorum of the class one of the members of the Armed Forces, conduct
irreproachable moral and professional compliance with the following precepts of
military ethics: I – love the truth and the responsibility as
foundation of personal dignity; II – exercise, with authority, efficiency
and probity, the functions that as a result of the position; III – respect the dignity of the human person; IV – comply and enforce the laws, regulations,
the instructions and orders of the authorities competent; V – be fair and impartial in the judgment of the
acts and appreciation of the merits of subordinates; VI – ensure the proper preparation, moral, intellectual
and physical and also by the subordinates, with a view to fulfilling the common mission; VII – use all your energies for the benefit
of the service; VIII – practice camaraderie and develop,
permanently the spirit of cooperation; IX – be discreet in their attitudes, ways
and in their written and spoken language; X – refrain from treating, outside the appropriate scope,
of confidential matter of any kind; XI – comply with the civil authorities; XII – fulfill his duties as a citizen; XIII – To proceed in an unblemished manner in life
public and private; XIV – observe the norms of good education; XV – Guarantee moral and material assistance
to your home and conduct yourself as a householder to model; XVI – conduct oneself, even outside the service
or when already in inactivity, so that the principles of
discipline, respect and military decorum; XVII – refrain from making use of the post or
graduation to get personal facilities of any nature or to forward business
individuals or third parties; XVIII – refrain from inactivity from the use
of hierarchical designations: a) in political party activities; b) in commercial activities; c) in industrial activities; d) to discuss or provoke discussions by the
press about political issues or military, with the exception of those of a
exclusively technical, if duly authorized; and e) in the exercise of a position or function of a nature
even if it belongs to the Public Administration; and XIX – ensure the good name of the Armed Forces
and each one of its members, obeying and by obeying the precepts of ethics
military. Art. 29. The active military is forbidden to trade
or take part in administration or management to be a partner or to participate in,
except as a shareholder or quotaholder, in a company anonymous or liability quotas
limited. Paragraph 1. The members of the reserve, when summoned,
are prohibited from dealing with military and civil public offices,
of interest to organizations or companies private of any kind. Paragraph 2. Active military personnel may exercise,
directly, the management of its assets, from do not infringe the provisions of this
article. Paragraph 3 In order to develop the practice
professional, senior officers are permitted to Health and Veterinary Staff or Services
the exercise of technical-professional activity in civil society, provided that such practice
service and does not infringe the provisions of in this article. Article 30. The Ministers of the Singular Forces
may determine the active military respective Force which, in the interest of
safeguard their dignity, inform the origin and nature of their assets, always
there are reasons to recommend such a measure. CHAPTER II
Military Duties SECTION I
Conceptualization Article 31. Military duties emanate from a
set of rational bonds as well as which link the military to the homeland and the
their service, and comprise essentially: I – dedication and fidelity to the Fatherland,
whose honor, integrity and institutions must be defended even with the sacrifice of
own life; II – the worship of National Symbols; III – probity and loyalty in all
circumstances; IV – discipline and respect for hierarchy; V – strict compliance with obligations
and of orders; and VI – the obligation to treat the subordinate
with dignity and with urbanity. SECTION II
Of Military Commitment Article 32. Every citizen, after joining
one of the Armed Forces upon incorporation, registration or appointment shall make a commitment
of honor, in which he will affirm his acceptance aware of the obligations and duties
military personnel and will express its firm well stick to them. Art. 33. The commitment of the incorporated, the
nominee and the nominee referred to in the previous article will be solemn and
will always be taken in the form of an oath to the Flag in the presence of troop or garrison
formed, according to the statements established in the specific regulations of the Forces
Armed Forces, and as soon as the military has acquired a degree of instruction compatible with the perfect
understanding of their duties as a member of the Armed Forces. Paragraph 1. The appointment of a Marine Guard or
Aspirant-to-Officer is provided in establishments of formation, obeying the ceremonial
laid down in the respective regulations. § 2 The commitment as official, when
any, shall be regulated in each Armed Force. SECTION III
Command and Subordination Art. 34. Command is the sum of authority,
duties and responsibilities that the military is legally invested when driving men
or run a military organization. The command is linked to the hierarchical degree and constitutes
an impersonal prerogative, in whose exercise the military defines itself and is characterized as
boss. Single paragraph. Applies to steering
and the head of the military organization, fit, the established for command. Art. 35. The subordination does not affect
some, the personal dignity of the military and stems, exclusively from the hierarchical structure
of the Armed Forces. Art. 36. The officer is prepared throughout
career, to perform duties command, leadership and direction. Art. 37. The graduates help or complement
the activities of the officers, either in training and in the use of means, either in education
and in administration. Single paragraph. In the exercise of activities
mentioned in this article and in command elements subordinates, petty officers, warrant officers
and sergeants must be commanded by loyalty, by example and professional ability
and technical responsibility to ensure compliance with thorough and uninterrupted order, rule
service and operating standards by the squares directly subordinate to them
and maintaining the cohesion and morale of same squares in all circumstances. Art. 38. The Cables, Mifters, First-Class Soldiers,
First-Class Barriers, Sailors, Soldiers, Second Class Soldiers and Second Class Barriers
they are essentially execution elements. Art. 39. The Recruit Sailors, Recruits,
Recruit Soldiers and Second-Class Soldiers constitute the elements incorporated into the
Armed for military service initial Art. 40. The special squares are subject to strict
compliance with the regulations pertinent to them, requiring them to
whole dedication to study and learning technical-professional. Single paragraph. To special squares too
military service is ensured initial Art. 41. The military is responsible for
the decisions which it takes, by the orders you issue and the acts you do. CHAPTER III
Violation of Obligations and Duties Military SECTION I
Conceptualization Art. 42. Violation of obligations or
of military duties shall constitute a crime, misdemeanor or disciplinary wrongdoing,
as provided by law or regulation specific. Paragraph 1. Violation of the precepts of ethics
military will be all the more serious the more high is the hierarchical degree of who the
commit. § 2 ° In the contest of military crime and misdemeanor
or disciplinary transgression when of the same nature will be applied only
the crime penalty. Art. 43. Failure to comply with specified duties
in laws and regulations, or lack of exation compliance with them entails for the
military functional, pecuniary, disciplinary or criminal law depending on
specific. Single paragraph. The determination of liability
functional, pecuniary, disciplinary or criminal may conclude that the incompatibility of
military with the position or inability to the exercise of military functions to him
inherent. Art. 44. The military man who, by his performance,
become incompatible with the position, or demonstrate inability to perform military duties
inherent to him shall be removed from office. Paragraph 1. They are competent to determine the
immediate removal from office or impediment of the function: a) the President of the Republic; b) holders of their respective military portfolios
and the Chief of Staff of the Armed Forces; and c) commanders, chiefs and directors,
in accordance with the laws or regulations specific to each Armed Force. § 2 The military man removed from office, under the conditions
mentioned in this article, you will be deprived the exercise of any military function
until the solution of the process or the measures appropriate legal Art. 45. Any manifestations are prohibited.
both on acts of superiors those of a claiming character or
political. SECTION II
Military Crimes Art. 46. The Military Penal Code relates
and ranks military crimes in time peace and wartime, and provides for
the application to the military of the corresponding penalties to the crimes they committed. SECTION III
Infringements or Disciplinary Transgressions Art. 47. The disciplinary regulations of the
Armed Forces will specify and rank misdemeanors or disciplinary transgressions
and shall lay down the rules on the extent and application of disciplinary
classification of military behavior and appeals against penalties
disciplinary Paragraph 1. The disciplinary penalties of impediment,
detention or imprisonment shall not exceed 30 (thirty) days. Paragraph 2. The special square also applies to
the disciplinary provisions provided for in regulation of the educational establishment where
is enrolled. SECTION IV
Of the Justification and Disciplinary Councils Art. 48. The presumably incapable officer
to remain active military will be, in the form of specific legislation, submitted
Justification Council. Paragraph 1. The officer, when submitted to the Council
Justification may be removed from the performance of their duties at the discretion
respective Minister, as established by in specific legislation. Paragraph 2 – The Superior Military Tribunal,
in peacetime or the Special Court in wartime, judge, in a single instance,
the proceedings by the Justification Councils, in the cases provided for by specific law. Paragraph 3 The Council of Justification may,
also be submitted the reservation officer paid or retired, presumably unable
to remain inactive where you are. Art. 49. The Navy Guard, the Aspiring Officer
and the squares with assured stability, presumably unable to remain
as active military, will be subjected to Disciplinary Board and removed from activities
who are exercising, in accordance with the rules specific. Paragraph 1. The Disciplinary Board shall obey
standards common to the three Armed Forces. Paragraph 2 It is incumbent upon the Ministers of the Singular Forces
ultimately judge the proceedings from the Disciplinary Councils convened
within their respective Armed Forces. Paragraph 3 The Disciplinary Board may also
be submitted to the square in the paid reserve or retired, presumably unable to remain
in the situation of inactivity in which it finds itself. TITLE III
Military Rights and Prerogatives CHAPTER I
Rights SECTION I
Enumeration Art. 50. The rights of the military are: I – the patent guarantee in all its fullness,
with the advantages, prerogatives and duties inherent in it, when official, pursuant to
of the Constitution; II – the salary calculated based on the
position or undergraduate degree that when transferring to inactivity
if you are over thirty years old of service; (Wording given by Provisional Measure
No. 2,215-10, dated 8.31.2001) III – the salary calculated based on the
position or undergraduate degree when, after thirty years of service, is transferred
paid off reserve ex officio by have reached the age limit of stay
working at the post or graduation, or have been covered by the compulsory quota;
and (Wording given by Provisional Measure No. 2,215-10, dated 8.31.2001) IV – the conditions or limitations imposed
in specific legislation and regulation: a) stability when square with 10 (ten)
or more years of effective service time; b) the use of hierarchical designations; c) the occupation of office corresponding to the
post or graduation; d) the perception of remuneration; e) medical and hospital assistance for
themselves and their dependents, thus understood as the set of activities related to
prevention, conservation or recovery health, including professional services
medical, pharmaceutical and dental as well as the supply, application of
means and care and other medical acts and required paramedics; f) the funeral for themselves and their dependents, constituting
in the set of measures taken by the State, when requested, from death to burial
dignified; g) food, thus understood as the
meals provided to active military personnel; h) the uniform, constituting the
in uniforms, white linen and bedding, provided to the military on active undergraduate
sergeant and, in special cases, to other military personnel; (i) housing for active military personnel;
comprising: 1 – accommodation in military organization, when
quartered or boarded; and 2 – housing for themselves and their dependents;
property under the responsibility of the Union, according to existing availability. j) (Repealed by Provisional Measure No. 2,215-10,
dated 8.31.2001) l) the constitution of military pension; m) promotion; n) the transfer on request to the reservation
paid; (o) leave, temporary leave
service and licenses; p) voluntary dismissal and licensing; q) the carrying of a weapon when on duty
active or inactive, unless inactive for mental alienation or conviction for
crimes against state security or for activities that discourage that size; r) the possession of weapons, by the squares, with the
restrictions imposed by the respective Force Armada; and s) other rights under specific laws. Paragraph 1 (Repealed by Provisional Measure no.
2,215-10, 8.31.2001) Paragraph 2. The following are considered dependent on the military: I – the wife; II – the child under 21 (twenty one) years old
or invalid or prohibited; III – the single daughter, as long as she does not receive
remuneration; IV – the student son, under 24 (twenty
and four) years, provided that it does not receive remuneration; V – the widowed mother, provided that she does not receive remuneration; VI – the stepson, the adopted child and the guardian,
nas mesmas condições dos itens II, III e IV; VII – a viúva do militar, enquanto permanecer
neste estado, e os demais dependentes mencionados nos itens II, III, IV, V e VI deste parágrafo,
desde que vivam sob a responsabilidade da viúva; VIII – a ex-esposa com direito à pensão
alimentícia estabelecida por sentença transitada em julgado, enquanto não contrair novo matrimônio. § 3º São, ainda, considerados dependentes
do militar, desde que vivam sob sua dependência econômica, sob o mesmo teto, e quando expressamente
declarados na organização militar competente: a) a filha, a enteada e a tutelada, nas condições
de viúvas, separadas judicialmente ou divorciadas, desde que não recebam remuneração; b) a mãe solteira, a madrasta viúva, a sogra
viúva ou solteira, bem como separadas judicialmente ou divorciadas, desde que, em qualquer dessas
situações, não recebam remuneração; c) os avós e os pais, quando inválidos ou
interditos, e respectivos cônjuges, estes desde que não recebam remuneração; d) o pai maior de 60 (sessenta) anos e seu
respectivo cônjuge, desde que ambos não recebam remuneração; e) o irmão, o cunhado e o sobrinho, quando
menores ou inválidos ou interditos, sem outro arrimo; f) a irmã, a cunhada e a sobrinha, solteiras,
viúvas, separadas judicialmente ou divorciadas, desde que não recebam remuneração; g) o neto, órfão, menor inválido ou interdito; h) a pessoa que viva, no mínimo há 5 (cinco)
anos, sob a sua exclusiva dependência econômica, comprovada mediante justificação judicial; i) a companheira, desde que viva em sua companhia
há mais de 5 (cinco) anos, comprovada por justificação judicial; and j) o menor que esteja sob sua guarda, sustento
e responsabilidade, mediante autorização judicial. § 4º Para efeito do disposto nos §§ 2º
e 3º deste artigo, não serão considerados como remuneração os rendimentos não-provenientes
de trabalho assalariado, ainda que recebidos dos cofres públicos, ou a remuneração que,
mesmo resultante de relação de trabalho, não enseje ao dependente do militar qualquer
direito à assistência previdenciária oficial. Art. 51. O militar que se julgar prejudicado
ou ofendido por qualquer ato administrativo ou disciplinar de superior hierárquico poderá
recorrer ou interpor pedido de reconsideração, queixa ou representação, segundo regulamentação
específica de cada Força Armada. § 1º O direito de recorrer na esfera administrativa
prescreverá: a) em 15 (quinze) dias corridos, a contar
do recebimento da comunicação oficial, quanto a ato que decorra de inclusão em quota compulsória
ou de composição de Quadro de Acesso; and b) em 120 (cento e vinte) dias, nos demais
casos. § 2º O pedido de reconsideração, a queixa
e a representação não podem ser feitos coletivamente. § 3º O militar só poderá recorrer ao Judiciário
após esgotados todos os recursos administrativos e deverá participar esta iniciativa, antecipadamente,
à autoridade à qual estiver subordinado. Art. 52. Os militares são alistáveis, como
eleitores, desde que oficiais, guardas-marinha ou aspirantes-a-oficial, suboficiais ou subtenentes,
sargentos ou alunos das escolas militares de nível superior para formação de oficiais. Single paragraph. Os militares alistáveis
são elegíveis, atendidas às seguintes condições: a) se contar menos de 5 (cinco) anos de serviço,
será, ao se candidatar a cargo eletivo, excluído do serviço ativo mediante demissão ou licenciamento
ex officio ; and b) se em atividade, com 5 (cinco) ou mais
anos de serviço, será, ao se candidatar a cargo eletivo, afastado, temporariamente,
do serviço ativo e agregado, considerado em licença para tratar de interesse particular;
se eleito, será, no ato da diplomação, transferido para a reserva remunerada, percebendo
a remuneração a que fizer jus em função do seu tempo de serviço. SECTION II
Da Remuneração Art. 53. A remuneração dos militares será
estabelecida em legislação específica, comum às Forças Armadas. (Wording given
pela Medida Provisória nº 2.215-10, de 31.8.2001) I – na ativa; (Wording given by Law no.
8.237, de 1991) a) soldo, gratificações e indenizações
regulares; (Redação dada pela Lei nº 8.237, de 1991) II – na inatividade: (Redação dada pela
Lei nº 8.237, de 1991) a) proventos, constituídos de soldo os quotas
de soldo e gratificações incorporáveis; (Redação dada pela Lei nº 8.237, de 1991) b) adicionais. (Wording given by Law no.
8.237, de 1991) Art. 54. O soldo é irredutível e não está
sujeito à penhora, seqüestro ou arresto, exceto nos casos previstos em lei. Art. 55. O valor do soldo é igual para o
militar da ativa, da reserva remunerada ou reformado, de um mesmo grau hierárquico,
ressalvado o disposto no item II, do caput , do artigo 50. Art. 56. Por ocasião de sua passagem para
a inatividade, o militar terá direito a tantas quotas de soldo quantos forem os anos de serviço,
computáveis para a inatividade, até o máximo de 30 (trinta) anos, ressalvado o disposto
no item III do caput , do artigo 50. Single paragraph. Para efeito de contagem
das quotas, a fração de tempo igual ou superior a 180 (cento e oitenta) dias será considerada
1 (um) ano. Art. 57. Nos termos do § 9º, do artigo 93,
da Constituição, a proibição de acumular proventos de inatividade não se aplica aos
militares da reserva remunerada e aos reformados quanto ao exercício de mandato eletivo, quanto
ao de função de magistério ou de cargo em comissão ou quanto ao contrato para prestação
de serviços técnicos ou especializados. Art. 58. Os proventos de inatividade serão
revistos sempre que, por motivo de alteração do poder aquisitivo da moeda, se modificarem
os vencimentos dos militares em serviço ativo. Single paragraph. Ressalvados os casos previstos
em lei, os proventos da inatividade não poderão exceder à remuneração percebida pelo militar
da ativa no posto ou graduação correspondente aos dos seus proventos. SECTION III
Da Promoção Art. 59. O acesso na hierarquia militar, fundamentado
principalmente no valor moral e profissional, é seletivo, gradual e sucessivo e será feito
mediante promoções, de conformidade com a legislação e regulamentação de promoções
de oficiais e de praças, de modo a obter-se um fluxo regular e equilibrado de carreira
para os militares. Single paragraph. O planejamento da carreira
dos oficiais e das praças é atribuição de cada um dos Ministérios das Forças Singulares. Art. 60. As promoções serão efetuadas pelos
critérios de antigüidade, merecimento ou escolha, ou, ainda, por bravura e post mortem
. § 1º Em casos extraordinários e independentemente
de vagas, poderá haver promoção em ressarcimento de preterição. § 2º A promoção de militar feita em ressarcimento
de preterição será efetuada segundo os critérios de antigüidade ou merecimento,
recebendo ele o número que lhe competir na escala hierárquica, como se houvesse sido
promovido, na época devida, pelo critério em que ora é feita sua promoção. Art. 61. A fim de manter a renovação, o
equilíbrio e a regularidade de acesso nos diferentes Corpos, Quadros, Armas ou Serviços,
haverá anual e obrigatoriamente um número fixado de vagas à promoção, nas proporções
abaixo indicadas: I – Almirantes-de-Esquadra, Generais-de-Exército
e Tenentes-Brigadeiros – 1/4 (um quarto) dos respectivos Corpos ou Quadros; II – Vice-Almirantes, Generais-de-Divisão
e Majores-Brigadeiros – 1/4 (um quarto) dos respectivos Corpos ou Quadros; III – Contra-Almirantes, Generais-de-Brigada
e Brigadeiros – 1/4 (um quarto) dos respectivos Corpos ou Quadros; IV – Capitães-de-Mar-e-Guerra e Coronéis
– no mínimo 1/8 (um oitavo) dos respectivos Corpos, Quadros, Armas ou Serviços; V – Capitães-de-Fragata e Tenentes-Coronéis
– no mínimo 1/15 (um quinze avos) dos respectivos Corpos, Quadros, Armas ou Serviços; VI – Capitães-de-Corveta e Majores – no mínimo
1/20 (um vinte avos) dos respectivos Corpos, Quadros, Armas ou Serviços; and VII – Oficiais dos 3 (três) últimos postos
dos Quadros de que trata a alínea b do inciso I do art. 98, 1/4 para o último posto, no
mínimo 1/10 para o penúltimo posto, e no mínimo 1/15 para o antepenúltimo posto,
dos respectivos Quadros, exceto quando o último e o penúltimo postos forem Capitão-Tenente
ou capitão e 1º Tenente, caso em que as proporções serão no mínimo 1/10 e 1/20,
respectivamente. (Wording given by Law nº 7.666, de 1988) § 1º O número de vagas para promoção
obrigatória em cada ano-base para os postos relativos aos itens IV, V, VI e VII deste
artigo será fixado, para cada Força, em decretos separados, até o dia 15 (quinze)
de janeiro do ano seguinte. § 2º As frações que resultarem da aplicação
das proporções estabelecidas neste artigo serão adicionadas, cumulativamente, aos cálculos
correspondentes dos anos seguintes, até completar-se pelo menos 1 (um) inteiro que, então, será
computado para obtenção de uma vaga para promoção obrigatória. § 3º As vagas serão consideradas abertas: a) na data da assinatura do ato que promover,
passar para a inatividade, transferir de Corpo ou Quadro, demitir ou agregar o militar; b) na data fixada na Lei de Promoções de
Oficiais da Ativa das Forças Armadas ou seus regulamentos, em casos neles indicados; and c) na data oficial do óbito do militar. Art. 62. Não haverá promoção de militar
por ocasião de sua transferência para a reserva remunerada ou reforma. SECTION IV
Das Férias e de Outros Afastamentos Temporários do Serviço Art. 63. Férias são afastamentos totais
do serviço, anual e obrigatoriamente concedidos aos militares para descanso, a partir do último
mês do ano a que se referem e durante todo o ano seguinte. § 1º O Poder Executivo fixará a duração
das férias, inclusive para os militares servindo em localidades especiais. § 2º Compete aos Ministros Militares regulamentar
a concessão de férias. § 3o A concessão de férias não é prejudicada
pelo gozo anterior de licença para tratamento de saúde, nem por punição anterior decorrente
de contravenção ou transgressão disciplinar, ou pelo estado de guerra, ou para que sejam
cumpridos atos em serviço, bem como não anula o direito àquela licença. (Essay
dada pela Medida Provisória nº 2.215-10, de 31.8.2001) § 4º Somente em casos de interesse da segurança
nacional, de manutenção da ordem, de extrema necessidade do serviço, de transferência
para a inatividade, ou para cumprimento de punição decorrente de contravenção ou
de transgressão disciplinar de natureza grave e em caso de baixa a hospital, os militares
terão interrompido ou deixarão de gozar na época prevista o período de férias a
que tiverem direito, registrando-se o fato em seus assentamentos. § 5º (Revogado pela Medida Provisória nº
2.215-10, de 31.8.2001) Art. 64. Os militares têm direito, ainda,
aos seguintes períodos de afastamento total do serviço, obedecidas às disposições
legais e regulamentares, por motivo de: I – núpcias: 8 (oito) dias; II – luto: 8 (oito) dias; III – instalação: até 10 (dez) dias; and IV – trânsito: até 30 (trinta) dias. Art. 65. As férias e os afastamentos mencionados
no artigo anterior são concedidos com a remuneração prevista na legislação específica e computados
como tempo de efetivo serviço para todos os efeitos legais. Art. 66. As férias, instalação e trânsito
dos militares que se encontrem a serviço no estrangeiro devem ter regulamentação
idêntica para as três Forças Armadas. SECTION V
Das Licenças Art. 67. Licença é a autorização para
afastamento total do serviço, em caráter temporário, concedida ao militar, obedecidas
às disposições legais e regulamentares. § 1º A licença pode ser: a) (Revogada pela Medida Provisória nº 2.215-10,
de 31.8.2001) b) para tratar de interesse particular; c) para tratamento de saúde de pessoa da
família; and d) para tratamento de saúde própria. e) para acompanhar cônjuge ou companheiro(a).
(Redação dada pela Lei nº 11.447, de 2007) § 2º A remuneração do militar licenciado
será regulada em legislação específica. § 3o A concessão da licença é regulada
pelo Comandante da Força. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.215-10, de 31.8.2001) Art. 68. (Revogado pela Medida Provisória
nº 2.215-10, de 31.8.2001) Art. 69. Licença para tratar de interesse
particular é a autorização para o afastamento total do serviço, concedida ao militar, com
mais de 10 (dez) anos de efetivo serviço, que a requeira com aquela finalidade. Single paragraph. A licença de que trata
este artigo será sempre concedida com prejuízo da remuneração e da contagem de tempo de
efetivo serviço, exceto, quanto a este último, para fins de indicação para a quota compulsória. Art. 69-A. Licença para acompanhar cônjuge
ou companheiro(a) é a autorização para o afastamento total do serviço, concedida
a militar com mais de 10 (dez) anos de efetivo serviço que a requeira para acompanhar cônjuge
ou companheiro(a) que, sendo servidor público da União ou militar das Forças Armadas,
for, de ofício, exercer atividade em órgão público federal situado em outro ponto do
território nacional ou no exterior, diverso da localização da organização militar
do requerente. (Incluído pela Lei nº 11.447, de 2007) § 1o A licença será concedida sempre com
prejuízo da remuneração e da contagem de tempo de efetivo serviço, exceto, quanto
a este último, para fins de indicação para a quota compulsória. (Included by Law
nº 11.447, de 2007) § 2o O prazo-limite para a licença será
de 36 (trinta e seis) meses, podendo ser concedido de forma contínua ou fracionada. (Included
pela Lei nº 11.447, de 2007) § 3o Para a concessão da licença para acompanhar
companheiro(a), há necessidade de que seja reconhecida a união estável entre o homem
e a mulher como entidade familiar, de acordo com a legislação específica. (Included
pela Lei nº 11.447, de 2007) § 4o Não será concedida a licença de que
trata este artigo quando o militar acompanhante puder ser passado à disposição ou à situação
de adido ou ser classificado/lotado em organização militar das Forças Armadas para o desempenho
de funções compatíveis com o seu nível hierárquico. (Incluído pela Lei nº 11.447,
de 2007) § 5o A passagem à disposição ou à situação
de adido ou a classificação/lotação em organização militar, de que trata o § 4o
deste artigo, será efetivada sem ônus para a União e sempre com a aquiescência das
Forças Armadas envolvidas. (Included by Lei nº 11.447, de 2007) Art. 70. As licenças poderão ser interrompidas
a pedido ou nas condições estabelecidas neste artigo. § 1o A interrupção da licença especial,
da licença para tratar de interesse particular e da licença para acompanhar cônjuge ou
companheiro(a) poderá ocorrer: (Redação dada pela Lei nº 11.447, de 2007) a) em caso de mobilização e estado de guerra; b) em caso de decretação de estado de emergência
ou de estado de sítio; c) para cumprimento de sentença que importe
em restrição da liberdade individual; d) para cumprimento de punição disciplinar,
conforme regulamentação de cada Força. (Redação dada pela Medida Provisória nº
2.215-10, de 31.8.2001) e) em caso de denúncia ou de pronúncia em
processo criminal ou indiciação em inquérito militar, a juízo da autoridade que efetivou
a denúncia, a pronúncia ou a indiciação. § 2o A interrupção da licença para tratar
de interesse particular e da licença para acompanhar cônjuge ou companheiro(a) será
definitiva quando o militar for reformado ou transferido, de ofício, para a reserva
remunerada. (Redação dada pela Lei nº 11.447, de 2007) § 3º A interrupção da licença para tratamento
de saúde de pessoa da família, para cumprimento de pena disciplinar que importe em restrição
da liberdade individual, será regulada em cada Força. SECTION VI
Da Pensão Militar Art. 71. A pensão militar destina-se a amparar
os beneficiários do militar falecido ou extraviado e será paga conforme o disposto em legislação
específica. § 1º Para fins de aplicação da legislação
específica, será considerado como posto ou graduação do militar o correspondente
ao soldo sobre o qual forem calculadas as suas contribuições. § 2º Todos os militares são contribuintes
obrigatórios da pensão militar correspondente ao seu posto ou graduação, com as exceções
previstas em legislação específica. § 3º Todo militar é obrigado a fazer sua
declaração de beneficiários que, salvo prova em contrário, prevalecerá para a habilitação
dos mesmos à pensão militar. Art. 72. A pensão militar defere-se nas prioridades
e condições estabelecidas em legislação específica. CHAPTER II
Das Prerrogativas SECTION I
Constituição e Enumeração Art. 73. As prerrogativas dos militares são
constituídas pelas honras, dignidades e distinções devidas aos graus hierárquicos e cargos. Single paragraph. São prerrogativas dos
militares: a) uso de títulos, uniformes, distintivos,
insígnias e emblemas militares das Forças Armadas, correspondentes ao posto ou graduação,
Corpo, Quadro, Arma, Serviço ou Cargo; b) honras, tratamento e sinais de respeito
que lhes sejam assegurados em leis e regulamentos; c) cumprimento de pena de prisão ou detenção
somente em organização militar da respectiva Força cujo comandante, chefe ou diretor tenha
precedência hierárquica sobre o preso ou, na impossibilidade de cumprir esta disposição,
em organização militar de outra Força cujo comandante, chefe ou diretor tenha a necessária
precedência; and d) julgamento em foro especial, nos crimes
militares. Art. 74. Somente em caso de flagrante delito
o militar poderá ser preso por autoridade policial, ficando esta obrigada a entregá-lo
imediatamente à autoridade militar mais próxima, só podendo retê-lo, na delegacia ou posto
policial, durante o tempo necessário à lavratura do flagrante. § 1º Cabe à autoridade militar competente
a iniciativa de responsabilizar a autoridade policial que não cumprir ao disposto neste
artigo e a que maltratar ou consentir que seja maltratado qualquer preso militar ou
não lhe der o tratamento devido ao seu posto ou graduação. § 2º Se, durante o processo e julgamento
no foro civil, houver perigo de vida para qualquer preso militar, a autoridade militar
competente, mediante requisição da autoridade judiciária, mandará guardar os pretórios
ou tribunais por força federal. Art. 75. Os militares da ativa, no exercício
de funções militares, são dispensados do serviço na instituição do Júri e do serviço
na Justiça Eleitoral. SECTION II
Do Uso dos Uniformes Art. 76. Os uniformes das Forças Armadas,
com seus distintivos, insígnias e emblemas, são privativos dos militares e simbolizam
a autoridade militar, com as prerrogativas que lhe são inerentes. Single paragraph. Constituem crimes previstos
na legislação específica o desrespeito aos uniformes, distintivos, insígnias e emblemas
militares, bem como seu uso por quem a eles não tiver direito. Art. 77. O uso dos uniformes com seus distintivos,
insígnias e emblemas, bem como os modelos, descrição, composição, peças acessórias
e outras disposições, são os estabelecidos na regulamentação específica de cada Força
Armada. § 1º É proibido ao militar o uso dos uniformes: a) em manifestação de caráter político-partidária; b) em atividade não-militar no estrangeiro,
salvo quando expressamente determinado ou autorizado; and c) na inatividade, salvo para comparecer a
solenidades militares, a cerimônias cívicas comemorativas de datas nacionais ou a atos
sociais solenes de caráter particular, desde que autorizado. § 2º O oficial na inatividade, quando no
cargo de Ministro de Estado da Marinha, do Exército ou da Aeronáutica, poderá usar
os mesmos uniformes dos militares na ativa. § 3º Os militares na inatividade cuja conduta
possa ser considerada como ofensiva à dignidade da classe poderão ser definitivamente proibidos
de usar uniformes por decisão do Ministro da respectiva Força Singular. Art. 78. O militar fardado tem as obrigações
correspondentes ao uniforme que use e aos distintivos, emblemas ou às insígnias que
ostente. Art. 79. É vedado às Forças Auxiliares
e a qualquer elemento civil ou organizações civis usar uniformes ou ostentar distintivos,
insígnias ou emblemas que possam ser confundidos com os adotados nas Forças Armadas. Single paragraph. São responsáveis pela
infração das disposições deste artigo, além dos indivíduos que a tenham cometido,
os comandantes das Forças Auxiliares, diretores ou chefes de repartições, organizações
de qualquer natureza, firmas ou empregadores, empresas, institutos ou departamentos que
tenham adotado ou consentido sejam usados uniformes ou ostentados distintivos, insígnias
ou emblemas que possam ser confundidos com os adotados nas Forças Armadas. TÍTULO IV
Das Disposições Diversas CHAPTER I
Das Situações Especiais SECTION I
Da Agregação Art. 80. Agregação é a situação na qual
o militar da ativa deixa de ocupar vaga na escala hierárquica de seu Corpo, Quadro,
Arma ou Serviço, nela permanecendo sem número. Art. 81. O militar será agregado e considerado,
para todos os efeitos legais, como em serviço ativo quando: I – for nomeado para cargo, militar ou considerado
de natureza militar, estabelecido em lei ou decreto, no País ou no estrangeiro, não-previsto
nos Quadros de Organização ou Tabelas de Lotação da respectiva Força Armada, exceção
feita aos membros das comissões de estudo ou de aquisição de material, aos observadores
de guerra e aos estagiários para aperfeiçoamento de conhecimentos militares em organizações
militares ou industriais no estrangeiro; II – for posto à disposição exclusiva do
Ministério da Defesa ou de Força Armada diversa daquela a que pertença, para ocupar
cargo militar ou considerado de natureza militar; (Redação dada pela Medida Provisória nº
2.215-10, de 31.8.2001) III – aguardar transferência ex officio para
a reserva, por ter sido enquadrado em quaisquer dos requisitos que a motivaram; IV – o órgão competente para formalizar
o respectivo processo tiver conhecimento oficial do pedido de transferência do militar para
a reserva; and V – houver ultrapassado 6 (seis) meses contínuos
na situação de convocado para funcionar como Ministro do Superior Tribunal Militar. § 1º A agregação de militar nos casos
dos itens I e II é contada a partir da data da posse no novo cargo até o regresso à
Força Armada a que pertence ou a transferência ex officio para a reserva. § 2º A agregação de militar no caso do
item III é contada a partir da data indicada no ato que tornar público o respectivo evento. § 3º A agregação de militar no caso do
item IV é contada a partir da data indicada no ato que tornar pública a comunicação
oficial até a transferência para a reserva. § 4º A agregação de militar no caso do
item V é contada a partir do primeiro dia após o respectivo prazo e enquanto durar
o evento. Art. 82. O militar será agregado quando for
afastado temporariamente do serviço ativo por motivo de: I – ter sido julgado incapaz temporariamente,
após 1 (um) ano contínuo de tratamento; II – haver ultrapassado 1 (um) ano contínuo
em licença para tratamento de saúde própria; III – haver ultrapassado 6 (seis) meses contínuos
em licença para tratar de interesse particular ou em licença para acompanhar cônjuge ou
companheiro(a); (Wording given by Law no. 11.447, de 2007) IV – haver ultrapassado 6 (seis) meses contínuos
em licença para tratar de saúde de pessoa da família; V – ter sido julgado incapaz definitivamente,
enquanto tramita o processo de reforma; VI – ter sido considerado oficialmente extraviado; VII – ter-se esgotado o prazo que caracteriza
o crime de deserção previsto no Código Penal Militar, se oficial ou praça com estabilidade
assegurada; VIII – como desertor, ter-se apresentado voluntariamente,
ou ter sido capturado, e reincluído a fim de se ver processar; IX – se ver processar, após ficar exclusivamente
à disposição da Justiça Comum; X – ter sido condenado à pena restritiva
de liberdade superior a 6 (seis) meses, em sentença transitada em julgado, enquanto
durar a execução, excluído o período de sua suspensão condicional, se concedida esta,
ou até ser declarado indigno de pertencer às Forças Armadas ou com elas incompatível; XI – ter sido condenado à pena de suspensão
do exercício do posto, graduação, cargo ou função prevista no Código Penal Militar; XII – ter passado à disposição de Ministério
Civil, de órgão do Governo Federal, de Governo Estadual, de Território ou Distrito Federal,
para exercer função de natureza civil; XIII – ter sido nomeado para qualquer cargo
público civil temporário, não-eletivo, inclusive da administração indireta; and XIV – ter-se candidatado a cargo eletivo,
desde que conte 5 (cinco) ou mais anos de serviço. § 1° A agregação de militar nos casos
dos itens I, II, III e IV é contada a partir do primeiro dia após os respectivos prazos
e enquanto durar o evento. § 2º A agregação de militar nos casos
dos itens V, VI, VII, VIII, IX, X e XI é contada a partir da data indicada no ato que
tornar público o respectivo evento. § 3º A agregação de militar nos casos
dos itens XII e XIII é contada a partir da data de posse no novo cargo até o regresso
à Força Armada a que pertence ou transferência ex officio para a reserva. § 4º A agregação de militar no caso do
item XIV é contada a partir da data do registro como candidato até sua diplomação ou seu
regresso à Força Armada a que pertence, se não houver sido eleito. Art. 83. O militar agregado fica sujeito às
obrigações disciplinares concernentes às suas relações com outros militares e autoridades
civis, salvo quando titular de cargo que lhe dê precedência funcional sobre outros militares
mais graduados ou mais antigos. Art. 84. O militar agregado ficará adido,
para efeito de alterações e remuneração, à organização militar que lhe for designada,
continuando a figurar no respectivo registro, sem número, no lugar que até então ocupava. Art. 85. A agregação se faz por ato do Presidente
da República ou da autoridade à qual tenha sido delegada a devida competência. SECTION II
Da Reversão Art. 86. Reversão é o ato pelo qual o militar
agregado retorna ao respectivo Corpo, Quadro, Arma ou Serviço tão logo cesse o motivo
que determinou sua agregação, voltando a ocupar o lugar que lhe competir na respectiva
escala numérica, na primeira vaga que ocorrer, observado o disposto no § 3° do artigo 100. Single paragraph. Em qualquer tempo poderá
ser determinada a reversão do militar agregado nos casos previstos nos itens IX, XII e XIII
do artigo 82. Art. 87. A reversão será efetuada mediante
ato do Presidente da República ou da autoridade à qual tenha sido delegada a devida competência. SECTION III
Do Excedente Art. 88. Excedente é a situação transitória
a que, automaticamente, passa o militar que: I – tendo cessado o motivo que determinou
sua agregação, reverta ao respectivo Corpo, Quadro, Arma ou Serviço, estando qualquer
destes com seu efetivo completo; II – aguarda a colocação a que faz jus na
escala hierárquica, após haver sido transferido de Corpo ou Quadro, estando os mesmos com
seu efetivo completo; III – é promovido por bravura, sem haver
vaga; IV – é promovido indevidamente; V – sendo o mais moderno da respectiva escala
hierárquica, ultrapasse o efetivo de seu Corpo, Quadro, Arma ou Serviço, em virtude
de promoção de outro militar em ressarcimento de preterição; and VI – tendo cessado o motivo que determinou
sua reforma por incapacidade definitiva, retorne ao respectivo Corpo, Quadro, Arma ou Serviço,
estando qualquer destes com seu efetivo completo. § 1º O militar cuja situação é a de excedente,
salvo o indevidamente promovido, ocupa a mesma posição relativa, em antigüidade, que lhe
cabe na escala hierárquica e receberá o número que lhe competir, em conseqüência
da primeira vaga que se verificar, observado o disposto no § 3º do artigo 100. § 2º O militar, cuja situação é de excedente,
é considerado, para todos os efeitos, como em efetivo serviço e concorre, respeitados
os requisitos legais, em igualdade de condições e sem nenhuma restrição, a qualquer cargo
militar, bem como à promoção e à quota compulsória. § 3º O militar promovido por bravura sem
haver vaga ocupará a primeira vaga aberta, observado o disposto no § 3º do artigo 100,
deslocando o critério de promoção a ser seguido para a vaga seguinte. § 4º O militar promovido indevidamente só
contará antigüidade e receberá o número que lhe competir na escala hierárquica quando
a vaga que deverá preencher corresponder ao critério pelo qual deveria ter sido promovido,
desde que satisfaça aos requisitos para promoção. SECTION IV
Do Ausente e do Desertor Art. 89. É considerado ausente o militar
que, por mais de 24 (vinte e quatro) horas consecutivas: I – deixar de comparecer à sua organização
militar sem comunicar qualquer motivo de impedimento; and II – ausentar-se, sem licença, da organização
militar onde serve ou local onde deve permanecer. Single paragraph. Decorrido o prazo mencionado
neste artigo, serão observadas as formalidades previstas em legislação específica. Art. 90. O militar é considerado desertor
nos casos previstos na legislação penal militar. SECTION V
Do Desaparecido e do Extraviado Art. 91. É considerado desaparecido o militar
na ativa que, no desempenho de qualquer serviço, em viagem, em campanha ou em caso de calamidade
pública, tiver paradeiro ignorado por mais de 8 (oito) dias. Single paragraph. A situação de desaparecimento
só será considerada quando não houver indício de deserção. Art. 92. O militar que, na forma do artigo
anterior, permanecer desaparecido por mais de 30 (trinta) dias, ser oficialmente considerado
extraviado. SECTION VI
Do Comissionado Art. 93. Após a declaração de estado de
guerra, os militares em serviço ativo poderão ser comissionados, temporariamente, em postos
ou graduações superiores aos que efetivamente possuírem. Single paragraph. O comissionamento de que
trata este artigo será regulado em legislação específica. CHAPTER II
Da Exclusão do Serviço Ativo SECTION I
Da Ocorrência Art. 94. A exclusão do serviço ativo das
Forças Armadas e o conseqüente desligamento da organização a que estiver vinculado o
militar decorrem dos seguintes motivos: (Vide Decreto nº 2.790, de 1998) I – transferência para a reserva remunerada; II – reforma; III – demissão; IV – perda de posto e patente; V – licenciamento; VI – anulação de incorporação; VII – desincorporação; VIII – a bem da disciplina; IX – deserção; X – falecimento; and XI – extravio. § 1º O militar excluído do serviço ativo
e desligado da organização a que estiver vinculado passará a integrar a reserva das
Forças Armadas, exceto se incidir em qualquer dos itens II, IV, VI, VIII, IX, X e XI deste
artigo ou for licenciado, ex officio , a bem da disciplina. § 2º Os atos referentes às situações
de que trata o presente artigo são da alçada do Presidente da República, ou da autoridade
competente para realizá-los, por delegação. Art. 95. O militar na ativa, enquadrado em
um dos itens I, II, V e VII do artigo anterior, ou demissionário a pedido, continuará no
exercício de suas funções até ser desligado da organização militar em que serve. § 1º O desligamento do militar da organização
em que serve deverá ser feito após a publicação em Diário Oficial , em Boletim ou em Ordem
de Serviço de sua organização militar, do ato oficial correspondente, e não poderá
exceder 45 (quarenta e cinco) dias da data da primeira publicação oficial. § 2º Ultrapassado o prazo a que se refere
o parágrafo anterior, o militar será considerado desligado da organização a que estiver vinculado,
deixando de contar tempo de serviço, para fins de transferência para a inatividade. SECTION II
Da Transferência para a Reserva Remunerada Art. 96. A passagem do militar à situação
de inatividade, mediante transferência para a reserva remunerada, se efetua: I – a pedido; and II – ex officio . Single paragraph. A transferência do militar
para a reserva remunerada pode ser suspensa na vigência do estado de guerra, estado de
sítio, estado de emergência ou em caso de mobilização. Art. 97. A transferência para a reserva remunerada,
a pedido, será concedida mediante requerimento, ao militar que contar, no mínimo, 30 (trinta)
anos de serviço. § 1º O oficial da ativa pode pleitear transferência
para a reserva remunerada mediante inclusão voluntária na quota compulsória. § 2º No caso de o militar haver realizado
qualquer curso ou estágio de duração superior a 6 ( seis ) meses, por conta da União, no
estrangeiro, sem haver decorrido 3 (três) anos de seu término, a transferência para
a reserva só será concedida mediante indenização de todas as despesas correspondentes à realização
do referido curso ou estágio, inclusive as diferenças de vencimentos. O cálculo da
indenização será efetuado pelos respectivos Ministérios. § 3º O disposto no parágrafo anterior não
se aplica aos oficiais que deixem de ser incluídos em Lista de Escolha, quando nela tenha entrado
oficial mais moderno do seu respectivo Corpo, Quadro, Arma ou Serviço. § 4º Não será concedida transferência
para a reserva remunerada, a pedido, ao militar que: a) estiver respondendo a inquérito ou processo
em qualquer jurisdição; and b) estiver cumprindo pena de qualquer natureza. Art. 98. A transferência para a reserva remunerada,
ex officio , verificar-se-á sempre que o militar incidir em um dos seguintes casos: I – atingir as seguintes idades-limite: (Redação
dada pela Lei nº 7.503, de 1986) a) na Marinha, no Exército e na Aeronáutica,
para os Oficiais dos Corpos, Quadros, Armas e Serviços não incluídos na alínea b;
(Redação dada pela Lei nº 7.666, de 1988) Postos
Idades Almirante-de-Esquadra, General-de-Exéreito
e Tenente-Brigadeiro 66 anos Vice-Almirante, General-de-Divisão e Major-Brigadeiro
64 anos Contra-Almirante, General-de-Brigada e Brigadeiro
62 anos Capitão-de-Mar-e-Guerra e Coronel
59 anos Capitão-de-Fragata e Tenente-Coronel
56 anos Capitão-de-Corveta e Major
52 anos Capitão-Tenente ou Capitão e Oficiais Subalternos
48 anos (Redação dada pela Lei nº 7.503, de 1986)
b) na Marinha, para os Oficiais do Quadro de Cirurgiões-Dentistas (CD) e do Quadro
de Apoio à Saúde (S), componentes do Corpo de Saúde da Marinha e do Quadro Técnico
(T), do Quadro Auxiliar da Armada (AA) e do Quadro Auxiliar de Fuzileiros Navais (AFN),
componentes do Corpo Auxiliar da Marinha; no Exército, para os Oficiais do Quadro Complementar
de Oficiais (QCO), do Quadro Auxiliar de Oficiais (QAO), do Quadro de Oficiais Médicos (QOM),
do Quadro de Oficiais Farmacêuticos (QOF), e do Quadro de Oficiais Dentistas (QOD); at
Aeronáutica, para os Oficiais do Quadro de Oficiais Médicos (QOMed), do Quadro de Oficiais
Farmacêuticos (QOFarm), do Quadro de Oficiais Dentistas (QODent), do Quadro de Oficiais
de Infantaria da Aeronáutica (QOInf), dos Quadros de Oficiais Especialistas em Aviões
(QOEAv), em Comunicações (QOECom), em Armamento (QOEArm), em Fotografia (QOEFot), em Meteorologia
(QOEMet), em Controle de Tráfego Aéreo (QOECTA), em Suprimento Técnico (QOESup) e do Quadro
de Oficiais Especialistas da Aeronáutica (QOEA): (Redação dada pela Lei nº 10.416,
de 27.3.2002) Postos Idades Capitão-de-Mar-e-Guerra e Corone 62 anos Capitão-de-Fragata e Tenente-Corone 60 anos Capitão-de-Corveta e Major 58 anos Capitão-Tenente e Capitão 56 anos Primeiro Tenente 56 anos Segundo-Tenente 56 anos c) na Marinha, no Exército e na Aeronáutica,
para Praças: (Redação dada pela Lei nº 7.666, de 1988) Graduação
Idades Suboficial e Subtenente
54 anos Primeiro-Sargento e Taifeiro-Mor
52 anos Segundo-Sargento e Taifeiro-de-Primeira-Classe
50 anos Graduação
Idades Terceiro-Sargento
49 anos Cabo e Taifeiro-de-Segunda-Classe
48 anos Marinheiro, Soldado e Soldado-de-Primeira-Classe
44 anos II – completar o Oficial-General 4 (quatro)
anos no último posto da hierarquia, em tempo de paz, prevista para cada Corpo ou Quadro
da respectiva Força. (Redação dada pela Lei nº 7.659, de 1988) III – completar os seguintes tempos de serviço
como Oficial-General: a) nos Corpos ou Quadros que possuírem até
o posto de Almirante-de-Esquadra, General-de-Exército e Tenente-Brigadeiro, 12 (doze) anos; b) nos Corpos ou Quadros que possuírem até
o posto de Vice-Almirante, General-de-Divisão e Major-Brigadeiro, 8 (oito) anos; and c) nos Corpos ou Quadros que possuírem apenas
o posto de Contra-Almirante, General-de-Brigada e Brigadeiro, 4 (quatro) anos; IV – ultrapassar o oficial 5 (cinco) anos
de permanência no último posto da hierarquia de paz de seu Corpo, Quadro, Arma ou Serviço;
para o Capitão-de-Mar-e-Guerra ou Coronel esse prazo será acrescido de 4 (quatro) anos
se, ao completar os primeiros 5 (cinco) anos no posto, já possuir o curso exigido para
a promoção ao primeiro posto de oficial-general, ou nele estiver matriculado e vier a concluí-lo
com aproveitamento; V – for o oficial abrangido pela quota compulsória; VI – for a praça abrangida pela quota compulsória,
na forma regulada em decreto, para cada Força Singular; VII – for o oficial considerado não-habilitado
para o acesso em caráter definitivo, no momento em que vier a ser objeto de apreciação para
ingresso em Quadro de Acesso ou Lista de Escolha; VIII – deixar o Oficial-General, o Capitão-de-Mar-e-Guerra
ou o Coronel de integrar a Lista de Escolha a ser apresentada ao Presidente da República,
pelo número de vezes fixado pela Lei de Promoções de Oficiais da Ativa das Forças Armadas,
quando na referida Lista de Escolha tenha entrado oficial mais moderno do seu respectivo
Corpo, Quadro, Arma ou Serviço; IX – for o Capitão-de-Mar-e-Guerra ou o Coronel,
inabilitado para o acesso, por estar definitivamente impedido de realizar o curso exigido, ultrapassado
2 (duas) vezes, consecutivas ou não, por oficial mais moderno do respectivo Corpo,
Quadro, Arma ou Serviço, que tenha sido incluído em Lista de Escolha; X – na Marinha e na Aeronáutica, deixar o
oficial do penúltimo posto de Quadro, cujo último posto seja de oficial superior, de
ingressar em Quadro de Acesso por Merecimento pelo número de vezes fixado pela Lei de Promoções
de Oficiais da Ativa das Forças Armadas, quando nele tenha entrado oficial mais moderno
do respectivo Quadro; XI – ingressar o oficial no Magistério Militar,
se assim o determinar a legislação específica; XII – ultrapassar 2 (dois) anos, contínuos
ou não, em licença para tratar de interesse particular; XIII – ultrapassar 2 (dois) anos contínuos
em licença para tratamento de saúde de pessoa de sua família; XIV – (Revogado pela Lei nº 9.297, de 1996); XV – ultrapassar 2 (dois) anos de afastamento,
contínuos ou não, agregado em virtude de ter passado a exercer cargo ou emprego público
civil temporário, não-eletivo, inclusive da administração indireta; and XVI – ser diplomado em cargo eletivo, na forma
da letra b , do parágrafo único, do artigo 52. § 1º A transferência para a reserva processar-se-á
quando o militar for enquadrado em um dos itens deste artigo, salvo quanto ao item V,
caso em que será processada na primeira quinzena de março. § 2° (Revogado pela Lei nº 9.297, de 1996) § 3° A nomeação ou admissão do militar
para os cargos ou empregos públicos de que trata o inciso XV deste artigo somente poderá
ser feita se: (Redação dada pela Lei nº 9.297, de 1996) a) oficial, pelo Presidente da República
ou mediante sua autorização quando a nomeação ou admissão for da alçada de qualquer outra
autoridade federal, estadual ou municipal; and b) praça, mediante autorização do respectivo
Ministro. § 4º Enquanto o militar permanecer no cargo
ou emprego de que trata o item XV: a) é-lhe assegurada a opção entre a remuneração
do cargo ou emprego e a do posto ou da graduação; b) somente poderá ser promovido por antigüidade;
and c) o tempo de serviço é contado apenas para
aquela promoção e para a transferência para a inatividade. § 5º Entende-se como Lista de Escolha aquela
que como tal for definida na lei que dispõe sobre as promoções dos oficiais da ativa
das Forças Armadas. Art. 99. A quota compulsória, a que se refere
o item V do artigo anterior, é destinada a assegurar a renovação, o equilíbrio,
a regularidade de acesso e a adequação dos efetivos de cada Força Singular. Art. 100. Para assegurar o número fixado
de vagas à promoção na forma estabelecida no artigo 61, quando este número não tenha
sido alcançado com as vagas ocorridas durante o ano considerado ano-base, aplicar-se-á
a quota compulsória a que se refere o artigo anterior. (Vide Decreto nº 1.012, de 1993) § 1º A quota compulsória é calculada deduzindo-se
das vagas fixadas para o ano-base para um determinado posto: a) as vagas fixadas para o posto imediatamente
superior no referido ano-base; and b) as vagas havidas durante o ano-base e abertas
a partir de 1º (primeiro) de janeiro até 31 (trinta e um) de dezembro, inclusive. § 2º Não estarão enquadradas na letra
b do parágrafo anterior as vagas que: a) resultarem da fixação de quota compulsória
para o ano anterior ao base; and b) abertas durante o ano-base, tiverem sido
preenchidas por oficiais excedentes nos Corpos, Quadros, Armas ou Serviços ou que a eles
houverem revertido em virtude de terem cessado as causas que deram motivo à agregação,
observado o disposto no § 3º deste artigo. § 3º As vagas decorrentes da aplicação
direta da quota compulsória e as resultantes das promoções efetivadas nos diversos postos,
em face daquela aplicação inicial, não serão preenchidas por oficiais excedentes
ou agregados que reverterem em virtude de haverem cessado as causas da agregação. § 4º As quotas compulsórias só serão
aplicadas quando houver, no posto imediatamente abaixo, oficiais que satisfaçam às condições
de acesso. Art . 101. A indicação dos oficiais para
integrarem a quota compulsória obedecerá às seguintes prescrições: I – inicialmente serão apreciados os requerimentos
apresentados pelos oficiais da ativa que, contando mais de 20 (vinte) anos de tempo
de efetivo serviço, requererem sua inclusão na quota compulsória, dando-se atendimento,
por prioridade em cada posto, aos mais idosos; and II – se o número de oficiais voluntários
na forma do item I não atingir o total de vagas da quota fixada em cada posto, esse
total será completado, ex officio , pelos oficiais que: a) contarem, no mínimo, como tempo de efetivo
serviço: 1 – 30 (trinta) anos, se Oficial-General; 2 – 28 (vinte e oito) anos, se Capitão-de-Mar-e-Guerra
ou Coronel; 3 – 25 (vinte e cinco) anos, se Capitão-de-Fragata
ou Tenente-Coronel; and 4 – 20 (vinte) anos, de Capitão-de-Corveta
ou Major. b) possuírem interstício para promoção,
quando for o caso; c) estiverem compreendidos nos limites quantitativos
de antigüidade que definem a faixa dos que concorrem à constituição dos Quadros de
Acesso por Antigüidade, Merecimento ou Escolha; d) ainda que não concorrendo à constituição
dos Quadros de Acesso por Escolha, estiverem compreendidos nos limites quantitativos de
antigüidade estabelecidos para a organização dos referidos Quadros; and e) satisfizerem as condições das letras
a , b , ced, na seguinte ordem de prioridade: 1ª) não possuírem as condições regulamentares
para a promoção, ressalvada a incapacidade física até 6 (seis) meses contínuos ou
12 (doze) meses descontínuos; dentre eles os de menor merecimento a ser apreciado pelo
órgão competente da Marinha, do Exército e da Aeronáutica; em igualdade de merecimento,
os de mais idade e, em caso de mesma idade, os mais modernos; 2ª) deixarem de integrar os Quadros de Acesso
por Merecimento ou Lista de Escolha, pelo maior número de vezes no posto, quando neles
tenha entrado oficial mais moderno; em igualdade de condições, os de menor merecimento a
ser apreciado pelo órgão competente da Marinha, do Exército e da Aeronáutica; em igualdade
de merecimento, os de mais idade e, em caso de mesma idade, os mais modernos; and 3ª) forem os de mais idade e, no caso da
mesma idade, os mais modernos. § 1º Aos oficiais excedentes, aos agregados
e aos não-numerados em virtude de lei especial aplicam-se as disposições deste artigo e
os que forem relacionados para a compulsória serão transferidos para a reserva juntamente
com os demais componentes da quota, não sendo computados, entretanto, no total das vagas
fixadas. § 2º Nos Corpos, Quadros, Armas ou Serviços,
nos quais não haja posto de Oficial-General, só poderão ser atingidos pela quota compulsória
os oficiais do último posto da hierarquia que tiverem, no mínimo, 28 (vinte e oito)
anos de tempo de efetivo serviço e os oficiais dos penúltimo e antepenúltimo postos que
tiverem, no mínimo, 25 (vinte e cinco) anos de tempo de efetivo serviço. § 3º Computar-se-á, para os fins de aplicação
da quota compulsória, no caso previsto no item II, letra a , número 1, como de efetivo
serviço, o acréscimo a que se refere o item II do artigo 137. Art. 102. O órgão competente da Marinha,
do Exército e da Aeronáutica organizará, até o dia 31 (trinta e um) de janeiro de
cada ano, a lista dos oficiais destinados a integrarem a quota compulsória, na forma
do artigo anterior. § 1º Os oficiais indicados para integrarem
a quota compulsória anual serão notificados imediatamente e terão, para apresentar recursos
contra essa medida, o prazo previsto na letra a , do § 1º, do artigo 51. § 2º Não serão relacionados para integrarem
a quota compulsória os oficiais que estiverem agregados por terem sido declarados extraviados
ou desertores. Art. 103. Para assegurar a adequação dos
efetivos à necessidade de cada Corpo, Quadro, Arma ou Serviço, o Poder Executivo poderá
aplicar também a quota compulsória aos Capitães-de-Mar-e-Guerra e Coronéis não-numerados, por não possuírem
o curso exigido para ascender ao primeiro posto de Oficial-General. § 1º Para aplicação da quota compulsória
na forma deste artigo, o Poder Executivo fixará percentual calculado sobre os efetivos de
oficiais não-remunerados existentes em cada Corpo, Quadro, Arma ou Serviço, em 31 de
dezembro de cada ano. § 2º A indicação de oficiais não-numerados
para integrarem a quota compulsória, os quais deverão ter, no mínimo, 28 (vinte e oito)
anos de efetivo serviço, obedecerá às seguintes prioridades: 1ª) os que requererem sua inclusão na quota
compulsória; 2ª) os de menor merecimento a ser apreciado
pelo órgão competente da Marinha, do Exército e da Aeronáutica; em igualdade de merecimento,
os de mais idade e, em caso de mesma idade, os mais modernos; and 3ª) forem os de mais idade e, no caso de
mesma idade, os mais modernos. § 3º Observar-se-ão na aplicação da quota
compulsória, referida no parágrafo anterior, as disposições estabelecidas no artigo 102. SECTION III
Da Reforma Art. 104. A passagem do militar à situação
de inatividade, mediante reforma, se efetua: I – a pedido; and II – ex officio . Art . 105. A reforma a pedido, exclusivamente
aplicada aos membros do Magistério Militar; se o dispuser a legislação específica da
respectiva Força, somente poderá ser concedida àquele que contar mais de 30 (trinta) anos
de serviço, dos quais 10 (dez), no mínimo, de tempo de Magistério Militar. Art . 106. A reforma ex officio será aplicada
ao militar que: I – atingir as seguintes idades-limite de
permanência na reserva: a) para Oficial-General, 68 (sessenta e oito)
years; b) para Oficial Superior, inclusive membros
do Magistério Militar, 64 (sessenta e quatro) years; c) para Capitão-Tenente, Capitão e oficial
subalterno, 60 (sessenta) anos; and d) para Praças, 56 (cinqüenta e seis) anos. II – for julgado incapaz, definitivamente,
para o serviço ativo das Forças Armadas; III – estiver agregado por mais de 2 (dois)
anos por ter sido julgado incapaz, temporariamente, mediante homologação de Junta Superior de
Saúde, ainda que se trate de moléstia curável; IV – for condenado à pena de reforma prevista
no Código Penal Militar, por sentença transitada em julgado; V – sendo oficial, a tiver determinada em
julgado do Superior Tribunal Militar, efetuado em conseqüência de Conselho de Justificação
a que foi submetido; and VI – sendo Guarda-Marinha, Aspirante-a-Oficial
ou praça com estabilidade assegurada, for para tal indicado, ao Ministro respectivo,
em julgamento de Conselho de Disciplina. Single paragraph. O militar reformado na
forma do item V ou VI só poderá readquirir a situação militar anterior: a) no caso do item V, por outra sentença
do Superior Tribunal Militar e nas condições nela estabelecidas; and b) no caso do item VI, por decisão do Ministro
respectivo. Art. 107. Anualmente, no mês de fevereiro,
o órgão competente da Marinha, do Exército e da Aeronáutica organizará a relação
dos militares, inclusive membros do Magistério Militar, que houverem atingido a idade-limite
de permanência na reserva, a fim de serem reformados. Single paragraph. A situação de inatividade
do militar da reserva remunerada, quando reformado por limite de idade, não sofre solução
de continuidade, exceto quanto às condições de mobilização. Art. 108. A incapacidade definitiva pode sobrevir
em conseqüência de: I – ferimento recebido em campanha ou na manutenção
da ordem pública; II – enfermidade contraída em campanha ou
na manutenção da ordem pública, ou enfermidade cuja causa eficiente decorra de uma dessas
situações; III – acidente em serviço; IV – doença, moléstia ou enfermidade adquirida
em tempo de paz, com relação de causa e efeito a condições inerentes ao serviço; V – tuberculose ativa, alienação mental,
esclerose múltipla, neoplasia maligna, cegueira, lepra, paralisia irreversível e incapacitante,
cardiopatia grave, mal de Parkinson, pênfigo, espondiloartrose anquilosante, nefropatia
grave e outras moléstias que a lei indicar com base nas conclusões da medicina especializada;
e (Redação dada pela Lei nº 12.670, de 2012) VI – acidente ou doença, moléstia ou enfermidade,
sem relação de causa e efeito com o serviço. § 1º Os casos de que tratam os itens I,
II, III e IV serão provados por atestado de origem, inquérito sanitário de origem
ou ficha de evacuação, sendo os termos do acidente, baixa ao hospital, papeleta de tratamento
nas enfermarias e hospitais, e os registros de baixa utilizados como meios subsidiários
para esclarecer a situação. § 2º Os militares julgados incapazes por
um dos motivos constantes do item V deste artigo somente poderão ser reformados após
a homologação, por Junta Superior de Saúde, da inspeção de saúde que concluiu pela
incapacidade definitiva, obedecida à regulamentação específica de cada Força Singular. Art. 109. O militar da ativa julgado incapaz
definitivamente por um dos motivos constantes dos itens I, II, III, IV e V do artigo anterior
será reformado com qualquer tempo de serviço. Art. 110. O militar da ativa ou da reserva
remunerada, julgado incapaz definitivamente por um dos motivos constantes dos incisos
I e II do art. 108, será reformado com a remuneração calculada com base no soldo
correspondente ao grau hierárquico imediato ao que possuir ou que possuía na ativa, respectivamente.
(Redação dada pela Lei nº 7.580, de 1986) § 1º Aplica-se o disposto neste artigo aos
casos previstos nos itens III, IV e V do artigo 108, quando, verificada a incapacidade definitiva,
for o militar considerado inválido, isto é, impossibilitado total e permanentemente
para qualquer trabalho. § 2º Considera-se, para efeito deste artigo,
grau hierárquico imediato: a) o de Primeiro-Tenente, para Guarda-Marinha,
Aspirante-a-Oficial e Suboficial ou Subtenente; b) o de Segundo-Tenente, para Primeiro-Sargento,
Segundo-Sargento e Terceiro-Sargento; and c) o de Terceiro-Sargento, para Cabo e demais
praças constantes do Quadro a que se refere o artigo 16. § 3º Aos benefícios previstos neste artigo
e seus parágrafos poderão ser acrescidos outros relativos à remuneração, estabelecidos
em leis especiais, desde que o militar, ao ser reformado, já satisfaça às condições
por elas exigidas. § 4º (Revogado pela Medida Provisória nº
2.215-10, de 31.8.2001) § 5º (Revogado pela Medida Provisória nº
2.215-10, de 31.8.2001) Art. 111. O militar da ativa julgado incapaz
definitivamente por um dos motivos constantes do item VI do artigo 108 será reformado: I – com remuneração proporcional ao tempo
de serviço, se oficial ou praça com estabilidade assegurada; and II – com remuneração calculada com base
no soldo integral do posto ou graduação, desde que, com qualquer tempo de serviço,
seja considerado inválido, isto é, impossibilitado total e permanentemente para qualquer trabalho. Art. 112. O militar reformado por incapacidade
definitiva que for julgado apto em inspeção de saúde por junta superior, em grau de recurso
ou revisão, poderá retornar ao serviço ativo ou ser transferido para a reserva remunerada,
conforme dispuser regulamentação específica. § 1º O retorno ao serviço ativo ocorrerá
se o tempo decorrido na situação de reformado não ultrapassar 2 (dois) anos e na forma
do disposto no § 1º do artigo 88. § 2º A transferência para a reserva remunerada,
observado o limite de idade para a permanência nessa reserva, ocorrerá se o tempo transcorrido
na situação de reformado ultrapassar 2 (dois) anos. Art . 113. A interdição judicial do militar
reformado por alienação mental deverá ser providenciada junto ao Ministério Público,
por iniciativa de beneficiários, parentes ou responsáveis, até 60 (sessenta) dias
a contar da data do ato da reforma. § 1º A interdição judicial do militar
e seu internamento em instituição apropriada, militar ou não, deverão ser providenciados
pelo Ministério Militar, sob cuja responsabilidade houver sido preparado o processo de reforma,
quando: a) não existirem beneficiários, parentes
ou responsáveis, ou estes não promoverem a interdição conforme previsto no parágrafo
anterior; or b) não forem satisfeitas às condições
de tratamento exigidas neste artigo. § 2º Os processos e os atos de registro
de interdição do militar terão andamento sumário, serão instruídos com laudo proferido
por Junta Militar de Saúde e isentos de custas. § 3º O militar reformado por alienação
mental, enquanto não ocorrer a designação judicial do curador, terá sua remuneração
paga aos seus beneficiários, desde que estes o tenham sob sua guarda e responsabilidade
e lhe dispensem tratamento humano e condigno. Art. 114. Para fins de passagem à situação
de inatividade, mediante reforma ex officio , as praças especiais, constantes do Quadro
a que se refere o artigo 16, são consideradas como: I – Segundo-Tenente: os Guardas-Marinha, Aspirantes-a-Oficial; II – Guarda-Marinha ou Aspirante-a-Oficial:
os Aspirantes, os Cadetes, os alunos da Escola de Oficiais Especialistas da Aeronáutica,
conforme o caso específico; III – Segundo-Sargento: os alunos do Colégio
Naval, da Escola Preparatória de Cadetes do Exército e da Escola Preparatória de
Cadetes-do-Ar; IV – Terceiro-Sargento: os alunos de órgão
de formação de oficiais da reserva e de escola ou centro de formação de sargentos;
and V – Cabos: os Aprendizes-Marinheiros e os
demais alunos de órgãos de formação de praças, da ativa e da reserva. Single paragraph. O disposto nos itens II,
III e IV é aplicável às praças especiais em qualquer ano escolar. SECTION IV
Da Demissão Art. 115. A demissão das Forças Armadas,
aplicada exclusivamente aos oficiais, se efetua: I – a pedido; and II – ex officio. Art . 116 A demissão a pedido será concedida
mediante requerimento do interessado: I – sem indenização aos cofres públicos,
quando contar mais de 5 (cinco) anos de oficialato, ressalvado o disposto no § 1º deste artigo;
and II – com indenização das despesas feitas
pela União, com a sua preparação e formação, quando contar menos de 5 (cinco) anos de oficialato. § 1º A demissão a pedido só será concedida
mediante a indenização de todas as despesas correspondentes, acrescidas, se for o caso,
das previstas no item II, quando o oficial tiver realizado qualquer curso ou estágio,
no País ou no exterior, e não tenham decorrido os seguintes prazos: a) 2 (dois) anos, para curso ou estágio de
duração igual ou superior a 2 (dois) meses e inferior a 6 (seis) meses; b) 3 (três) anos, para curso ou estágio
de duração igual ou superior a 6 (seis) meses e igual ou inferior a 18 (dezoito) meses; c) 5 (cinco) anos, para curso ou estágio
de duração superior a 18 (dezoito) meses. § 2º O cálculo das indenizações a que
se referem o item II e o parágrafo anterior será efetuado pelos respectivos Ministérios. § 3º O oficial demissionário, a pedido,
ingressará na reserva, onde permanecerá sem direito a qualquer remuneração. O ingresso
na reserva será no mesmo posto que tinha no serviço ativo e sua situação, inclusive
promoções, será regulada pelo Regulamento do Corpo de Oficiais da Reserva da respectiva
Força. § 4º O direito à demissão a pedido pode
ser suspenso na vigência de estado de guerra, estado de emergência, estado de sítio ou
em caso de mobilização. Art. 117. O oficial da ativa que passar a
exercer cargo ou emprego público permanente, estranho à sua carreira, será imediatamente
demitido ex officio e transferido para a reserva não remunerada, onde ingressará com o posto
que possuía na ativa e com as obrigações estabelecidas na legislação do serviço
militar, obedecidos os preceitos do art. 116 no que se refere às indenizações. (Essay
dada pela Lei nº 9.297, de 1996) SECTION V
Da Perda do Posto e da Patente Art. 118. O oficial perderá o posto e a patente
se for declarado indigno do oficialato, ou com ele incompatível, por decisão do Superior
Tribunal Militar, em tempo de paz, ou de Tribunal Especial, em tempo de guerra, em decorrência
de julgamento a que for submetido. Single paragraph. O oficial declarado indigno
do oficialato, ou com ele incompatível, e condenado à perda de posto e patente só
poderá readquirir a situação militar anterior por outra sentença dos tribunais referidos
neste artigo e nas condições nela estabelecidas. Art. 119. O oficial que houver perdido o posto
e a patente será demitido ex officio sem direito a qualquer remuneração ou indenização
e receberá a certidão de situação militar prevista na legislação que trata do serviço
militar. Art. 120. Ficará sujeito à declaração
de indignidade para o oficialato, ou de incompatibilidade com o mesmo, o oficial que: I – for condenado, por tribunal civil ou militar,
em sentença transitada em julgado, à pena restritiva de liberdade individual superior
a 2 (dois) anos; II – for condenado, em sentença transitada
em julgado, por crimes para os quais o Código Penal Militar comina essas penas acessórias
e por crimes previstos na legislação especial concernente à segurança do Estado; III – incidir nos casos, previstos em lei
específica, que motivam o julgamento por Conselho de Justificação e neste for considerado
culpado; and IV – houver perdido a nacionalidade brasileira. SECTION VI
Do Licenciamento Art. 121. O licenciamento do serviço ativo
se efetua: I – a pedido; and II – ex officio . § 1º O licenciamento a pedido poderá ser
concedido, desde que não haja prejuízo para o serviço: a) ao oficial da reserva convocado, após
prestação do serviço ativo durante 6 (seis) meses; and b) à praça engajada ou reengajada, desde
que conte, no mínimo, a metade do tempo de serviço a que se obrigou. § 2º A praça com estabilidade assegurada,
quando licenciada para fins de matrícula em Estabelecimento de Ensino de Formação
ou Preparatório de outra Força Singular ou Auxiliar, caso não conclua o curso onde
foi matriculada, poderá ser reincluída na Força de origem, mediante requerimento ao
respectivo Ministro. § 3º O licenciamento ex officio será feito
na forma da legislação que trata do serviço militar e dos regulamentos específicos de
cada Força Armada: a) por conclusão de tempo de serviço ou
de estágio; b) por conveniência do serviço; and c) a bem da disciplina. § 4º O militar licenciado não tem direito
a qualquer remuneração e, exceto o licenciado ex officio a bem da disciplina, deve ser incluído
ou reincluído na reserva. § 5° O licenciado ex officio a bem da disciplina
receberá o certificado de isenção do serviço militar, previsto na legislação que trata
do serviço militar. Art. 122. O Guarda-Marinha, o Aspirante-a-Oficial
e as demais praças empossados em cargos ou emprego público permanente, estranho à sua
carreira, serão imediatamente, mediante licenciamento ex officio, transferidos para a reserva não
remunerada, com as obrigações estabelecidas na legislação do serviço militar. (Essay
dada pela Lei nº 9.297, de 1996) Art. 123. O licenciamento poderá ser suspenso
na vigência de estado de guerra, estado de emergência, estado de sítio ou em caso de
mobilização. SECTION VII
Da Anulação de Incorporação e da Desincorporação da Praça Art. 124. A anulação de incorporação e
a desincorporação da praça resultam na interrupção do serviço militar com a conseqüente
exclusão do serviço ativo. Single paragraph. A legislação que trata
do serviço militar estabelece os casos em que haverá anulação de incorporação ou
desincorporação da praça. SEÇÃO VIII
Da Exclusão da Praça a Bem da Disciplina Art. 125. A exclusão a bem da disciplina
será aplicada ex officio ao Guarda-Marinha, ao Aspirante-a-Oficial ou às praças com
estabilidade assegurada: I – quando assim se pronunciar o Conselho
Permanente de Justiça, em tempo de paz, ou Tribunal Especial, em tempo de guerra, ou
Tribunal Civil após terem sido essas praças condenadas, em sentença transitada em julgado,
à pena restritiva de liberdade individual superior a 2 (dois) anos ou, nos crimes previstos
na legislação especial concernente à segurança do Estado, a pena de qualquer duração; II – quando assim se pronunciar o Conselho
Permanente de Justiça, em tempo de paz, ou Tribunal Especial, em tempo de guerra, por
haverem perdido a nacionalidade brasileira; and III – que incidirem nos casos que motivarem
o julgamento pelo Conselho de Disciplina previsto no artigo 49 e nele forem considerados culpados. Single paragraph. O Guarda-Marinha, o Aspirante-a-Oficial
ou a praça com estabilidade assegurada que houver sido excluído a bem da disciplina
só poderá readquirir a situação militar anterior: a) por outra sentença do Conselho Permanente
de Justiça, em tempo de paz, ou Tribunal Especial, em tempo de guerra, e nas condições
nela estabelecidas, se a exclusão tiver sido conseqüência de sentença de um daqueles
Tribunais; and b) por decisão do Ministro respectivo, se
a exclusão foi conseqüência de ter sido julgado culpado em Conselho de Disciplina. Art. 126. É da competência dos Ministros
das Forças Singulares, ou autoridades às quais tenha sido delegada competência para
isso, o ato de exclusão a bem da disciplina do Guarda-Marinha e do Aspirante-a-Oficial,
bem como das praças com estabilidade assegurada. Art. 127. A exclusão da praça a bem da disciplina
acarreta a perda de seu grau hierárquico e não a isenta das indenizações dos prejuízos
causados à Fazenda Nacional ou a terceiros, nem das pensões decorrentes de sentença
judicial. Single paragraph. A praça excluída a bem
da disciplina receberá o certificado de isenção do serviço militar previsto na legislação
que trata do serviço militar, sem direito a qualquer remuneração ou indenização. SEÇÃO IX
Da Deserção Art. 128. A deserção do militar acarreta
interrupção do serviço militar, com a conseqüente demissão ex officio para o oficial, ou a
exclusão do serviço ativo, para a praça. § 1º A demissão do oficial ou a exclusão
da praça com estabilidade assegurada processar-se-á após 1 (um) ano de agregação, se não houver
captura ou apresentação voluntária antes desse prazo. § 2º A praça sem estabilidade assegurada
será automaticamente excluída após oficialmente declarada desertora. § 3º O militar desertor que for capturado
ou que se apresentar voluntariamente, depois de haver sido demitido ou excluído, será
reincluído no serviço ativo e, a seguir, agregado para se ver processar. § 4º A reinclusão em definitivo do militar
de que trata o parágrafo anterior dependerá de sentença de Conselho de Justiça. SEÇÃO X
Do Falecimento e do Extravio Art. 129. O militar na ativa que vier a falecer
será excluído do serviço ativo e desligado da organização a que estava vinculado, a
partir da data da ocorrência do óbito. Art. 130. O extravio do militar na ativa acarreta
interrupção do serviço militar, com o conseqüente afastamento temporário do serviço ativo,
a partir da data em que o mesmo for oficialmente considerado extraviado. § 1º A exclusão do serviço ativo será
feita 6 (seis) meses após a agregação por motivo de extravio. § 2º Em caso de naufrágio, sinistro aéreo,
catástrofe, calamidade pública ou outros acidentes oficialmente reconhecidos, o extravio
ou o desaparecimento de militar da ativa será considerado, para fins deste Estatuto, como
falecimento, tão logo sejam esgotados os prazos máximos de possível sobrevivência
ou quando se dêem por encerradas as providências de salvamento. Art. 131. O militar reaparecido será submetido
a Conselho de Justificação ou a Conselho de Disciplina, por decisão do Ministro da
respectiva Força, se assim for julgado necessário. Single paragraph. O reaparecimento de militar
extraviado, já excluído do serviço ativo, resultará em sua reinclusão e nova agregação
enquanto se apuram as causas que deram origem ao seu afastamento. CHAPTER III
Da Reabilitação Art. 132. A reabilitação do militar será
efetuada: I – de acordo com o Código Penal Militar
e o Código de Processo Penal Militar, se tiver sido condenado, por sentença definitiva,
a quaisquer penas previstas no Código Penal Militar; II – de acordo com a legislação que trata
do serviço militar, se tiver sido excluído ou licenciado a bem da disciplina. Single paragraph. Nos casos em que a condenação
do militar acarretar sua exclusão a bem da disciplina, a reabilitação prevista na legislação
que trata do serviço militar poderá anteceder a efetuada de acordo com o Código Penal Militar
e o Código de Processo Penal Militar. Art. 133. A concessão da reabilitação implica
em que sejam cancelados, mediante averbação, os antecedentes criminais do militar e os
registros constantes de seus assentamentos militares ou alterações, ou substituídos
seus documentos comprobatórios de situação militar pelos adequados à nova situação. CHAPTER IV
Do Tempo de Serviço Art. 134. Os militares começam a contar tempo
de serviço nas Forças Armadas a partir da data de seu ingresso em qualquer organização
militar da Marinha, do Exército ou da Aeronáutica. § 1º Considera-se como data de ingresso,
para fins deste artigo: a) a do ato em que o convocado ou voluntário
é incorporado em uma organização militar; b) a de matrícula como praça especial; and c) a do ato de nomeação. § 2º O tempo de serviço como aluno de órgão
de formação da reserva é computado, apenas, para fins de inatividade na base de 1 (um)
dia para cada período de 8 (oito) horas de instrução, desde que concluída com aproveitamento
a formação militar. § 3º O militar reincluído recomeça a contar
tempo de serviço a partir da data de sua reinclusão. § 4º Quando, por motivo de força maior,
oficialmente reconhecida, decorrente de incêndio, inundação, naufrágio, sinistro aéreo e
outras calamidades, faltarem dados para contagem de tempo de serviço, caberá aos Ministros
Militares arbitrar o tempo a ser computado para cada caso particular, de acordo com os
elementos disponíveis. Art. 135. Na apuração do tempo de serviço
militar, será feita distinção entre: I – tempo de efetivo serviço; and II – anos de serviço. Art. 136. Tempo de efetivo serviço é o espaço
de tempo computado dia a dia entre a data de ingresso e a data-limite estabelecida para
a contagem ou a data do desligamento em conseqüência da exclusão do serviço ativo, mesmo que
tal espaço de tempo seja parcelado. § 1º O tempo de serviço em campanha é
computado pelo dobro como tempo de efetivo serviço, para todos os efeitos, exceto indicação
para a quota compulsória. § 2º Será, também, computado como tempo
de efetivo serviço o tempo passado dia a dia nas organizações militares, pelo militar
da reserva convocado ou mobilizado, no exercício de funções militares. § 3º Não serão deduzidos do tempo de efetivo
serviço, além dos afastamentos previstos no artigo 65, os períodos em que o militar
estiver afastado do exercício de suas funções em gozo de licença especial. § 4º Ao tempo de efetivo serviço, de que
trata este artigo, apurado e totalizado em dias, será aplicado o divisor 365 (trezentos
e sessenta e cinco) para a correspondente obtenção dos anos de efetivo serviço. Art. 137. Anos de serviço é a expressão
que designa o tempo de efetivo serviço a que se refere o artigo anterior, com os seguintes
acréscimos: I – tempo de serviço público federal, estadual
ou municipal, prestado pelo militar anteriormente à sua incorporação, matrícula, nomeação
ou reinclusão em qualquer organização militar; II – (Revogado pela Medida Provisória nº
2.215-10, de 31.8.2001) III – tempo de serviço computável durante
o período matriculado como aluno de órgão de formação da reserva; IV – (Revogado pela Medida Provisória nº
2.215-10, de 31.8.2001) V – (Revogado pela Medida Provisória nº
2.215-10, de 31.8.2001) VI – 1/3 (um terço) para cada período consecutivo
ou não de 2 (dois) anos de efetivo serviço passados pelo militar nas guarnições especiais
da Categoria “A”, a partir da vigência da Lei nº 5.774, de 23 de dezembro de 1971.
(Redação dada pela Lei nº 7.698, de 1988) § 1º Os acréscimos a que se referem os
itens I, III e VI serão computados somente no momento da passagem do militar à situação
de inatividade e para esse fim. § 2º (Revogado pela Medida Provisória nº
2.215-10, de 31.8.2001) § 3º (Revogado pela Medida Provisória nº
2.215-10, de 31.8.2001) § 4º Não é computável para efeito algum,
salvo para fins de indicação para a quota compulsória, o tempo: a) que ultrapassar de 1 (um) ano, contínuo
ou não, em licença para tratamento de saúde de pessoa da família; b) passado em licença para tratar de interesse
particular ou para acompanhar cônjuge ou companheiro(a); (Wording given by Law no.
11.447, de 2007) c) passado como desertor; d) decorrido em cumprimento de pena de suspensão
do exercício do posto, graduação, cargo ou função por sentença transitada em julgado;
and e) decorrido em cumprimento de pena restritiva
da liberdade, por sentença transitada em julgado, desde que não tenha sido concedida
suspensão condicional de pena, quando, então, o tempo correspondente ao período da pena
será computado apenas para fins de indicação para a quota compulsória e o que dele exceder,
para todos os efeitos, caso as condições estipuladas na sentença não o impeçam. Art. 138. (Revogado pela Medida Provisória
nº 2.215-10, de 31.8.2001) Art. 139. O tempo que o militar passou ou
vier a passar afastado do exercício de suas funções, em conseqüência de ferimentos
recebidos em acidente quando em serviço, combate, na defesa da Pátria e na garantia
dos poderes constituídos, da lei e da ordem, ou de moléstia adquirida no exercício de
qualquer função militar, será computado como se o tivesse passado no exercício efetivo
daquelas funções. Art. 140. Entende-se por tempo de serviço
em campanha o período em que o militar estiver em operações de guerra. Single paragraph. A participação do militar
em atividades dependentes ou decorrentes das operações de guerra será regulada em legislação
específica. Art. 141. O tempo de serviço dos militares
beneficiados por anistia será contado como estabelecer o ato legal que a conceder. Art. 142. A data-limite estabelecida para
final da contagem dos anos de serviço para fins de passagem para a inatividade será
do desligamento em conseqüência da exclusão do serviço ativo. Art. 143. Na contagem dos anos de serviço
não poderá ser computada qualquer superposição dos tempos de serviço público federal, estadual
e municipal ou passado em administração indireta, entre si, nem com os acréscimos
de tempo, para os possuidores de curso universitário, e nem com o tempo de serviço computável
após a incorporação em organização militar, matrícula em órgão de formação de militares
ou nomeação para posto ou graduação nas Forças Armadas. CHAPTER V
Do Casamento Art. 144. O militar da ativa pode contrair
matrimônio, desde que observada a legislação civil específica. § 1º Os Guardas-Marinha e os Aspirantes-a-Oficial
não podem contrair matrimônio, salvo em casos excepcionais, a critério do Ministro
da respectiva Força. § 2º É vedado o casamento às praças especiais,
com qualquer idade, enquanto estiverem sujeitas aos regulamentos dos órgãos de formação
de oficiais, de graduados e de praças, cujos requisitos para admissão exijam a condição
de solteiro, salvo em casos excepcionais, a critério do Ministro da respectiva Força
Armada. § 3º O casamento com mulher estrangeira
somente poderá ser realizado após a autorização do Ministro da Força Armada a que pertencer
o militar. Art. 145. As praças especiais que contraírem
matrimônio em desacordo com os §§ 1º e 2° do artigo anterior serão excluídas do
serviço ativo, sem direito a qualquer remuneração ou indenização. CHAPTER VI
Das Recompensas e das Dispensas do Serviço Art. 146. As recompensas constituem reconhecimento
dos bons serviços prestados pelos militares. § 1º São recompensas: a) os prêmios de Honra ao Mérito; b) as condecorações por serviços prestados
na paz e na guerra; c) os elogios, louvores e referências elogiosas;
and d) as dispensas de serviço. § 2º As recompensas serão concedidas de
acordo com as normas estabelecidas nos regulamentos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica. Art . 147. As dispensas de serviço são autorizações
concedidas aos militares para afastamento total do serviço, em caráter temporário. Art . 148. As dispensas de serviço podem
ser concedidas aos militares: I – como recompensa; II – para desconto em férias; and III – em decorrência de prescrição médica. Single paragraph. As dispensas de serviço
serão concedidas com a remuneração integral e computadas como tempo de efetivo serviço. TÍTULO V
Disposições Gerais, Transitórias e Finais Art. 149. A transferência para a reserva
remunerada ou a reforma não isentam o militar da indenização dos prejuízos causados à
Fazenda Nacional ou a terceiros, nem do pagamento das pensões decorrentes de sentença judicial. Art. 150. A Assistência Religiosa às Forças
Armadas é regulada por lei específica. Art. 151. É vedado o uso por organização
civil de designações que possam sugerir sua vinculação às Forças Armadas. Single paragraph. Excetuam-se das prescrições
deste artigo as associações, clubes, círculos e outras organizações que congreguem membros
das Forças Armadas e que se destinem, exclusivamente, a promover intercâmbio social e assistencial
entre os militares e suas famílias e entre esses e a sociedade civil. Art. 152. Ao militar amparado por uma ou mais
das Leis n° 288, de 8 de junho de 1948, 616, de 2 de fevereiro de 1949, 1.156, de 12 de
julho de 1950, e 1.267, de 9 de dezembro de 1950, e que em virtude do disposto no artigo
62 desta Lei não mais usufruirá as promoções previstas naquelas leis, fica assegurada,
por ocasião da transferência para a reserva ou da reforma, a remuneração da inatividade
relativa ao posto ou graduação a que seria promovido em decorrência da aplicação das
referidas leis. Single paragraph. A remuneração de inatividade
assegurada neste artigo não poderá exceder, em nenhum caso, a que caberia ao militar,
se fosse ele promovido até 2 (dois) graus hierárquicos acima daquele que tiver por
ocasião do processamento de sua transferência para a reserva ou reforma, incluindo-se nesta
limitação a aplicação do disposto no § 1º do artigo 50 e no artigo 110 e seu § 1º. Art. 153. Na passagem para a reserva remunerada,
aos militares obrigados ao vôo serão computados os acréscimos de tempo de efetivo serviço
decorrentes das horas de vôo realizadas até 20 de outubro de 1946, na forma da legislação
então vigente. Art. 154. Os militares da Aeronáutica que,
por enfermidade, acidente ou deficiência psicofisiológica, verificada em inspeção
de saúde, na forma regulamentar, forem considerados definitivamente incapacitados para o exercício
da atividade aérea, exigida pelos regulamentos específicos, só passarão à inatividade
se essa incapacidade o for também para todo o serviço militar. Single paragraph. A regulamentação própria
da Aeronáutica estabelece a situação do pessoal enquadrado neste artigo. Art. 155. Aos Cabos que, na data da vigência
desta Lei, tenham adquirido estabilidade será permitido permanecer no serviço ativo, em
caráter excepcional, de acordo com o interesse da respectiva Força Singular, até completarem
50 (cinqüenta) anos de idade, ressalvadas outras disposições legais. Art. 156. (Revogado pela Medida Provisória
nº 2.215-10, de 31.8.2001) Art. 157. As disposições deste Estatuto
não retroagem para alcançar situações definidas anteriormente à data de sua vigência. Art. 158. Após a vigência do presente Estatuto
serão a ele ajustadas todas as disposições legais e regulamentares que com ele tenham
ou venham a ter pertinência. Art. 159. O presente Estatuto entrará em
vigor a partir de 1º de janeiro de 1981, salvo quanto ao disposto no item IV do artigo
98, que terá vigência 1 (um) ano após a data da publicação desta Lei. Single paragraph. Até a entrada em vigor
do disposto no item IV do artigo 98, permanecerão em vigor as disposições constantes dos itens
IV e V do artigo 102 da Lei n° 5.774, de 23 de dezembro de 1971.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *